Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/20.500.11960/1793
Title: Intimidade e sexualidade : um estudo qualitativo com mulheres idosas
Authors: Sousa, Ana Isabel Pereira de
Advisor: Faria, Carla Maria Gomes Marques de
Amorim, Maria Isabel Soares Parente Lajoso
Keywords: Intimidade;Sexualidade;Envelhecimento;Gerontologia social;Intimacy;Sexuality;Aging;Social gerontology
Issue Date: 3-Oct-2014
Abstract: O envelhecimento individual constitui-se como um fenómeno biopsicossocial complexo, multidirecional, multidimensional e multicausal, pautado por ganhos e perdas, e que contém a marca do lugar e do tempo histórico-cultural em que a pessoa vive. Nas últimas décadas a investigação tem reunido um corpo crescente e sistemático de evidências que permitem compreender muitas das dimensões deste processo, salientando o papel activo da pessoa no próprio processo de desenvolvimento e envelhecimento. No entanto, existem ainda aspectos pouco explorados deste processo, nomeadamente as dimensões da sexualidade e da intimidade. Se ao nível da sexualidade existem algumas evidências decorrentes de abordagens de natureza biológica e enraizadas numa linha das ciências da saúde. Já ao nível da intimidade muito pouco se conhece sobre a vivência das relações intimas neste período de vida e relevância destas para a vida das pessoas mais velhas. Em contrapartida predominam muitas ideias preconcebidas e estereótipos sobre a sexualidade e a intimidade na velhice que constrangem a expressão plena desta dimensão do desenvolvimento humano. Assumindo uma leitura desenvolvimental da sexualidade e da intimidade, o presente estudo, de natureza qualitativa, tem como objectivo compreender como a sexualidade e intimidade é vivida/experienciada pelo idoso. Participam no estudo doze pessoas mais velhas a viver na comunidade que foram entrevistadas com recurso a uma entrevista semi-estruturada. A análise conteúdo das entrevistas permitiu identificar a existência de um tema comum - Vivência da intimidade e da sexualidade, que integra três domínios: (1) Intimidade e sexualidade na juventude; (2) Intimidade e sexualidade na velhice; e (3) O lugar do envelhecimento na intimidade e sexualidade. Os resultados obtidos tornam claro a indissociabilidade entre intimidade e sexualidade, e a existência de uma dicotomia na experiência de intimidade e sexualidade em função de períodos de vida. Ou seja, torna-se evidente o modo como os participantes experienciaram e vivenciaram a intimidade e sexualidade na juventude por contraponto à velhice, o modo como se posicionam face à conceptualização de intimidade e sexualidade na velhice, os diversos factores ou condições que sustentaram as vivências passadas e presentes, bem como o modo como o envelhecimento se articula com estas dimensões da vida humana, quer no sentido mais individual, quer no sentido mais social. Além disso, os resultados evidenciam também o papel da cultura e do tempo histórico no desenvolvimento e vivência da sexualidade e da intimidade, com destaque para o papel da religião (católica) e das práticas educativas na infância e juventude. Também foi claro o lugar de acontecimentos de vida enquanto marcadores temporais, particularmente o casamento que aparece como um importante marco associado ao início da vivência sexual. Em síntese, a intimidade e sexualidade parece constituir-se como um processo dinâmico e heterogéneo que se foi transformando ao longo do ciclo de vida, reconhecendo-se o papel fundamental das relações íntimas e o valor das experiências de intimidade e sexualidade nesta fase da vida, com os sentimentos de confiança no processo diádico emergem como algo fundacional. Neste contexto, o presente estudo reúne evidências relevantes para a compreensão da sexualidade e da intimidade na velhice, como fortes implicações para a prática gerontológica.
Individual aging can be defined as a biopsicossocial phenomenon, and as a multidirectional, multidimensional and multicausal process, characterized by gains and losses, that contains the mark of the place and the historical-cultural time in which person live. In the last decades the research has gathered an increasing and systematic body of evidences that allows us to understand many of the dimensions in this process, emphasizing the active role of the person in its own process of development and aging. However, there are still some aspects under explored in this process, namely the dimension of the sexuality and intimacy. If in the area of sexuality there is some evidence arising from biological approaches and rooted in a line of health sciences in what concerns to intimacy, very little is known about the experience of intimate relationships in this life period and the importance of these to elder people’s life. In contrast many preconceived ideas and stereotypes about sexuality and intimacy in old age that constrains the full expression of this dimension of human development prevails. Assuming a developing approach of sexuality and intimacy, the present qualitative study aims to understand how sexuality and intimacy is experienced by the elder. In the study participated twelve older people living in the community, who were interviewed using a semi-structured interview. The content analysis of the interviews allowed to identify the existence of a common theme – Experience of intimacy and sexuality that integrates three domains: (1) Intimacy and sexuality in youth; (2) Intimacy and sexuality in old age; (3) The place of aging in intimacy and sexuality. The results show the inseparability between intimacy and sexuality, and the existence of a dichotomy in the experience of intimacy and sexuality depending on life periods. In other words, it becomes clear the way how the participants experienced and lived the intimacy and sexuality in youth by counterpointing to old age, the way they conceptualize intimacy and sexuality in old age, the many factors or conditions that supported the past and present experiences, as well as the aging is linked with these dimensions of human life, whether in the individual sense, whether in the social sense. Moreover, the results also highlight the role of culture and historical time in the development and experience of sexuality and intimacy, with emphasis on the role of religion (Catholic) and educational practices in childhood and youth. It was also clear the place of life events as temporal markers, particularly marriage that appears as an important milestone associated with the beginning of sexual life. In summary, intimacy and sexuality seems to constitute itself as a dynamic and heterogeneous process that was transforming along the life cycle, although it recognized the fundamental role of intimate relationships and the value of the experiences of intimacy and sexuality at this stage of life, recognizing the key role of intimate relationships, where the feelings of trust in dyadic process emerge as foundational, and the value of the experiences of intimacy and sexuality at this stage of life. In this context, the present study gathers relevant evidence for the understanding of sexuality and intimacy in old age, as strong implications for gerontological practice.
Description: Dissertação de Mestrado em Gerontologia Social apresentada na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo
URI: http://hdl.handle.net/20.500.11960/1793
Appears in Collections:SOE - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ana_Sousa.pdf1.01 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.